Home | Idosos | Doença pulmonar obstrutiva crónica

Doença pulmonar obstrutiva crónica

Tamanho da fonte: Decrease font Enlarge font
image A doença pulmonar obstrutiva crónica é uma doença lenta e progressiva dos pulmões

publicidade

A doença pulmonar obstrutiva crónica (DPOC) é uma doença crónica dos pulmões, em que à diminuição da capacidade de respirar devido a obstrução nas vias aéreas (zona que vai desde a boca até aos pulmões).

Geralmente, é resultante de uma resposta infecciosa à inalação de fumo ou partículas prejudiciais ao organismo, durante um longo período de tempo .

 

Pessoas atingidas:

- As que fumam à mais de 10 anos.

- Com mais de 40 anos.

- Que tenham tosse ou expectoração crónica e que tenham falta de ar para pequenos esforços (dispneia).

- Tenham deficiência da proteína alfa-antitripsina

 

Sintomas:

Os mais comuns são a tosse e/ou expectoração frequente. Com o agravamento da doença surge dispneia, falta de ar e pieira (barulho ao respirar). Num estado mais avançado da doença, pode surgir problemas cardíacos, edema (inchaço) nos pés e pernas.

 

Origem

A DPCO evolui após vários anos de consumo de tabaco e exposição a poeiras, vapores e substâncias irritantes à via aérea. O tabaco tem produtos irritantes que inflamam e causam lesões nas vias aéreas, que ao fim de anos favorecem o aparecimento da doença. Deixar de fumar alivia bastante os sintomas.

Algumas profissões como a de mineiro e trabalhador da construção civil, são consideradas de risco, devido à exposição constante a substâncias e pós nocivos.

A deficiência da proteína alfa1- antitripsina é genético e hereditário. São raros os casos de DPOC provocados por esta proteína.

 

Diagnóstico

Os sintomas apresentados por um doente exposto a fumo ajudam na determinação da doença. O médico pode pedir RX ao tórax e análises ao sangue para ajudar no diagnóstico.

O exame para confirmar a doença é a espirometria através da medição do grau da obstrução das vias aéreas, ou seja, a quantidade de ar que sai dos pulmões. Neste exame o doente mete o máximo de ar nos pulmões (inspira) e de seguida assopra de uma forma rápida e com força (expira) no tubo da máquina.

 Através da avaliação dos resultados o médico sabe a força e a quantidade de ar que sai dos pulmões. Avalia a gravidade da doença e qual o tratamento mais eficaz para minimizar os sintomas e evolução da doença.

Outro exame realizado é a gasometria. É retirado sangue de uma artéria, geralmente do braço, para avaliar o valor de oxigénio no sangue arterial. Nestes doente o valor do oxigénio está geralmente abaixo do normal, entre os 91-93%.

 

Tratamento

O primeiro passo é deixar de fumar ou de frequentar ambientes poluídos. Pode ser necessário usar medicamentos para ajudar a controlar os sintomas da falta de tabaco.

Os medicamentos para a DPOC não curam a doença, apenas reduzem os sintomas e as complicações. São prescritos broncodilatadores para permitir a passagem de maior quantidade de ar. A forma mais usada é a de nebulizador de pó (bomba) devido a terem um efeito mais rápido e eficaz.

Pode ser necessário recorrer temporariamente a corticoides e a oxigénio em casa. A fisioterapia respiratória pode ajudar e diminuir os sintomas.

O doente deve ter um grande cuidado para não apanhar infecções respiratórias, e vacinar-se todos os anos contra a gripe.

Como evolui:


A DPCO instala-se lenta e progressivamente. Por isso, muitas vezes o paciente vai ao médico numa fase avançada da doença. Inicialmente aparece a tosse e expectoração que o doente não valoriza. Depois o doente tem infecções respiratórias mais frequentes - bronquite aguda –  seguido de queixas de cansaço fácil para médios esforços. Na fase mais avançada evolui até não conseguir fazer pequenas tarefas, como a higiene diária e falar.

Durante algum tempo, apesar dos sintomas, o pulmão consegue receber o oxigénio do ar e transportá-lo até ao sangue, e receber deste o dióxido de carbono que elimina para o ar. À medida que a doença evolui o pulmão fica mais afectado e a função vai-se reduzindo. O oxigénio que chega ao sangue vai sendo menor e o dióxido de carbono vai-se acumulando. As estas alterações dos gases do sangue chama-se insuficiência respiratória.

Nesta fase avançada de DPCO, os doentes podem apresentar cianose (lábios e unhas azuladas), devido à diminuição de oxigénio no sangue, e dor de cabeça de manhã devido à acumulação de dióxido de carbono. Também os pequenos vasos sanguíneos dos pulmões são destruídos, o que impede o normal fluxo sanguíneo através dos pulmões. Como resultado desta alteração, o coração bombeia com maior força e pressão acrescida para levar o sangue aos pulmões. A pressão elevada dos vasos sanguíneos nos pulmões é designada hipertensão pulmonar.


A DPCO e a asma são ambas doenças obstrutivas. A DPCO surge por volta dos 50 anos em pessoas que fumaram durante muitos anos, com tosse, expectoração, falta de ar e é uma doença progressiva. A asma surge nas crianças devido a alergias, rinite e/ou eczemas. A tosse na asma varia sendo mais frequente ao deitar e levantar. É uma doença com cura.

 

Referencias: Diagnóstico e Terapêutica em Medicina Interna - Otto Miller,
Enciclopédia Médica da Família - Editora: Livraria Civilização Editora

 

Última atualização desta página:

Poderá querer ler também sobre
      

publicidade

   

Faça o seu comentário

Rui on 27/02/2009 10:25:03
avatar
Obrigado pelo artigo. Tenho um familiar com esse problema após uma de fumar. Foi bom ver esse texto. Não sabia que era uma doença com cura. As doenças progressivas tem cura?
Thumbs Up Thumbs Down
-1
Admin on 27/02/2009 20:46:14
avatar
As doenças progressivas não têm cura. Evoluem com o tempo de uma forma mais lenta ou rápida. No último parágrafo do texto, faço distinção entre DPCO e asma para que não julguem ser a mesma doença. A asma é que tem cura.
Thumbs Up Thumbs Down
2
Rui on 28/02/2009 23:30:38
avatar
Não tinha lido o texto com atenção. Tem razão e já agora parabéns pelo vosso site.
Thumbs Up Thumbs Down
2
fernanda on 08/03/2009 22:32:15
avatar
meu pai tem 60anos fumou desde de novo ,mais parou depois que sofreu derrame,tem mais ou menos 8 anos que ele parou de fuma, mais hopje ele ta internado com supeita de efizema pumonar ebronquite ele sente falta de ar ate para comversar, se ele fala muito custa a fala. o que vc acha ,alguem pode me dizer alguma coisa ,grata
Thumbs Up Thumbs Down
-1
Ritha de Cassia on 21/09/2009 17:08:29
avatar
Meu pai tem esse problema de efizema pumonar gostaria de saber se com esse tempo seco um umidificador de ar seria bom para ele ???? ou não???????
Thumbs Up Thumbs Down
2
maria natal da costa on 26/12/2009 19:30:15
avatar
gostaria de sab se tem cura delataçao no pulmao descobri ao 48 anos que esto com delataçao e o medico falo que nao tem cura e verdade
Thumbs Up Thumbs Down
2
rita on 02/11/2010 12:37:40
avatar
gostei muito porque a minha mae fuma e por isso vou ja dizer-lhe isso
Thumbs Up Thumbs Down
1
7 1 - 7
  • email Enviar a um amigo
  • print Versão p/ impressão
  • Plain text Texto
  • Plain text Acompanhe o Conhecer Saude no Twitter




Info do(a) Autor(a)
image , concluiu Curso Superior de Enfermagem em 1996 e a Licenciatura em Enfermagem em 2001. Fez em 2003 o Curso Inicial de Formadores e renovou em 2008. Editora do Conhecer Saúde.
Health On the Net Foundation


Publicidade