Home | Adultos | Insónia

Insónia

Tamanho da fonte: Decrease font Enlarge font
image

publicidade

A insónia é um distúrbio grave do sono. Pode significar a incapacidade de adormecer ou continuar a dormir durante toda a noite, ou a tendência a acordar muito cedo, antes de ter dormido o suficiente. A insónia é frequentemente usada para descrever a condição de acordar e  não se sentir bem descansado ou restaurado.


A insónia pode variar de leve a severa, aguda (insónia de curta duração) ou crónica (insónia que dura mais de um mês), e pode ser um distúrbio isolado ou um sintoma de alguma outra doença ou condição, como o stress, uso de drogas, ou outros problemas de saúde. A pessoas com insónia têm muitas vezes durante o dia, sintomas relacionados com a exaustão, tais como fadiga e diminuição da clareza mental.

Tipos de insónia

Existem dois tipos de insónia: primária e secundária.

Insónia Primária

A insónia primária refere-se a problemas de sono que não estão diretamente associados a qualquer outra condição de saúde. Não é um sintoma ou efeito colateral de uma outra questão médica, mas é a própria desordem em si. Este tipo de insónia geralmente dura pelo menos um mês, e pensa-se ser causado por extremas alterações de vida, tais como stress emocional contínuo e trauma.

Insónia Secundária

Insónia Secundária é um sintoma ou efeito colateral de um outro problema emocional ou físico, e é o tipo mais comum de insónia. As condições de saúde, como depressão ou artrite, certos medicamentos, o uso de álcool e outras drogas, stress contínuo podem causar insónia secundária. Induzida pelo stress, a insónia é a forma mais comum da insónia secundária, responsável por metade de todos aqueles que já relataram terem sintomas de insónia.

Sintomas

Os sintomas de insónia podem variar muito entre os casos. Algumas pessoas sofrem de sintomas graves, tais como a incapacidade de adormecer, enquanto outros podem conseguir dormir uma noite inteira, mas não se sentem bem descansados quando acordam, muitas vezes, porque o sono é muito leve. Muitas pessoas experimentam sintomas durante o dia, tais como a incapacidade de se concentrar, ou acham difícil ficar acordado.

Sintomas de insónia comuns incluem:

Dificuldade em adormecer à noite

Algumas pessoas que sofrem de insónia podem achar que têm dificuldade em adormecer à noite e podem ficar na cama horas seguidas sem conseguir adormercer.

Despertar durante a noite

Às vezes as pessoas são capazes de adormecer, mas acordam frequentemente durante a noite. Esta inquietação pode levar ao sono inadequado e se persistente, leva à insónia.

Acordar muito cedo

Muitas pessoas são capazes de adormecer e ficarem adormecidos por um período de tempo, mas acordam antes que tenham obtido uma quantidade adequada de sono. Costumam acordar sentindo-se exaustas. A maioria das pessoas precisa de cerca de 7-8 horas de sono por noite, as crianças e os adolescentes tendem a precisar de mais. Os idosos frequentemente exigem menos horas de sono à noite, mas podem exigir um descanso durante o dia.

Não se sentir descansado depois de uma noite de sono

Algumas pessoas são capazes de terem uma noite inteira de sono, mas não se sentem refrescadas ou bem descansadas quando acordam. Isso muitas vezes deve-se ao sono ser muito leve e não permite que o corpo relaxe completamente.

Fadiga ou sonolência diurna

Pessoas que sofrem de insónia muitas vezes apresentam sintomas como fadiga e perda de concentração durante o dia.

Dificuldade em prestar atenção ou concentrarem-se em tarefas

Se a insónia persistir, pode levar à lentidão mental e a uma diminuição no funcionamento mental, como se concentrar ou prestar atenção.

Outros sintomas da insónia incluem:

  • Preocupações sobre o sono
  • Dores de cabeça tensionais
  • Problemas gastrointestinais
  • Irritabilidade
  • Ansiedade

 

Causas da Insónia

A insónia pode ter um impacto significativo na vida quotidiana. Saúde geral, estilo de vida, relacionamentos, trabalho e produtividade, podem sofrer de sono inadequado. Se tem dificuldade para dormir, é importante determinar se um problema subjacente ou condição médica está a causar o problema. Insónia secundária é o tipo mais comum de insónia, e é frequentemente causada como resultado do stress, ou ansiedade. Alguns fatores comuns que levam à insónia incluem:

Stress e ansiedade

Preocupações com trabalho, escola, saúde, finanças, ou família pode manter a sua mente ativa durante a noite, o que torna difícil e às vezes impossível dormir. Os eventos traumáticos, tais como a morte de um ente querido, divórcio ou perda de um emprego muitas vezes causam longa duração de stress e ansiedade, que pode levar a insónia crónica (longo prazo).

Depressão

A depressão pode-lhe fazer dormir demais ou muito pouco. Isto pode ser devido a desequilíbrios químicos no cérebro, ou porque os  medos que acompanham a depressão podem manter a pessoa tensa o suficiente para não dormir. Não é incomum para a insónia acompanhar outros transtornos do humor, tais como transtorno bipolar, ansiedade, ou pós-traumático.

Medicamentos

Um sem número de medicamentos podem contribuir para a insónia. Estes incluem alguns analgésicos, descongestionantes, produtos para perda de peso que contenham cafeína ou outros estimulantes. Os anti-histamínicos podem provocar sonolência inicialmente, mas podem levar a micção mais freqüente, causando mais viagens noturnas à casa de banho. Além disso, certos medicamentos podem interferir com o sono. Potenciais culpados incluem medicamentos antidepressivos, cardíacos e de pressão arterial, medicamentos para alergia, estimulantes, e corticosteróides.

A cafeína, nicotina e álcool

Café, chá, refrigerantes e bebidas energéticas que contenham cafeína são estimulantes que podem interferir com o sono. Beber café no final da tarde pode impedir de adormecer à noite. Nicotina do tabaco é outro estimulante que pode inibir o sono.
O álcool é um sedativo que pode ajudar a adormecer inicialmente, mas impede estágios mais profundos do sono, assim as pessoas acabam por tossir e revirar-se durante a noite.

Condições médicas

Uma série de condições médicas podem contribuir para insónia. Algumas delas incluem a dor crónica, dificuldades respiratórias, apneia do sono, ou artrite. Sono insuficiente também está associado a um número de doenças crónicas, tais como a diabetes, doenças cardiovasculares, e obesidade.

Outras condições médicas que podem levar à insónia incluem:

  • Micção frequente
  • Cancro

Distúrbios do sono

Distúrbios do sono comuns, tais como o síndrome das pernas inquietas (movimentos involuntários e sensação de desconforto nos membros inferiores) pode inibir o sono. A apneia do sono, um distúrbio respiratório acompanhado de ressono alto e por períodos de tempo quando a respiração pára, também pode levar à insónia.

Mudanças no ambiente ou horário

Trabalhar por turnos, ou viajar por longas distâncias, pode atrapalhar os ritmos circadianos do corpo (24 horas-bioquímicos, fisiológicos, e ciclo comportamentais), tornando o sono difícil. Esses ritmos atuam como relógios internos, regulando os ciclos do sono, temperatura corporal, e metabolismo.

Preocupações com o sono e maus hábitos de sono

Infelizmente, o esforço de se preocupar com o não dormir o suficiente pode levar até mesmo à privação do sono. Se este for o caso para si, tente mudar sua rotina habitual de dormir. Deite-se mais cedo, evitando os maus hábitos como assistir televisão até tarde, ou trabalhar na cama.

Comer muito tarde

Consumir muita comida muito tarde à noite pode fazer sentir-se desconfortável ao deitar-se. Refeições tardias também podem contribuir para a azia ou um refluxo de alimentos do estômago para o esófago.

Tratamentos

As pessoas não tem que sofrer com noites sem dormir para sempre. Há uma abundância de opções de tratamento disponíveis. Muitos casos de insónia podem ser remediados, seguindo bons hábitos de sono e uma dieta saudável, mas a terapia de comportamento ou medicação podem ser necessárias.

A fim de melhor tratar a insónia, é importante determinar se há ou não um problema subjacente ou condição médica que está a causar o problema. A maioria dos casos de insónia são o resultado de stress, ou alguma outra condição física ou emocional que precisa ser tratada separadamente. Muitas das vezes, quando essas condições são tratados com sucesso, os padrões de sono voltam ao normal.

Alterações no estilo de vida saudáveis

Muitas vezes é preciso algumas mudanças de estilo de vida para manter a insónia longe. Vá para a cama quando estiver a sentir-se cansado e use o quarto só para dormir. Outras atividades que estimulam o cérebro, como assistir televisão, ler, devem ocorrer em noutro lugar de sua casa. Tente reduzir a quantidade de stress na sua vida. Alguns hábitos do estilo de vida que deve seguir são:

Pare de Fumar

Se fuma, pare. A nicotina não é apenas um estimulante que pode provocar insónia, mas o fumo pode levar à hipertensão arterial, ataques cardíacos, AVC e cancro.

Vigie o que bebe

Evite beber quantidades excessivas de álcool. O álcool é um sedativo que pode induzir ao sono inicialmente, mas evita as fases mais profundas do sono e não permiti que o corpo descanse totalmente. O consumo excessivo por longo prazo também pode desencadear hipertensão arterial, insuficiência cardíaca e AVC.

Bebidas com cafeína, como café e refrigerantes são estimulantes que podem perturbar o sono. Evite beber café ou nenhuma cafeína durante a tarde.

Beber muitos líquidos antes de dormir vai fazer levantar-se durante a noite com a necessidade de urinar.

Excercício

Exercitar 20 a 30 minutos todos os dias e pelo menos cinco horas antes de deitar é reconhecido por estudos para relaxar o corpo e incentivar uma boa noite de sono. O exercício regular pode também ajudar a prevenir doenças cardiovasculares, obesidade e diabetes.

Quando as mudanças do estilo de vida e terapias de comportamento não curarem os sintomas de insónia, os médicos recorrem frequentemente a medicamentos. Os médicos recomendam a prescrição comprimidos para dormir por apenas algumas semanas, pois podem tornar-se viciantes se forem tomados por longos períodos de tempo. Se está a sofrer de insónia, converse com seu médico para que ele lhe faça o melhor plano de tratamento para si.


Referencias: Manual de Enfermagem: Exames Laboratoriais e Diagnósticos - Editora - Editora Nova Guanabara,
A.D.A.M. Medical Encyclopedia

Última atualização desta página:

Poderá querer ler também sobre
      

publicidade

   

Faça o seu comentário

  • email Enviar a um amigo
  • print Versão p/ impressão
  • Plain text Texto
  • Plain text Acompanhe o Conhecer Saude no Twitter




Info do(a) Autor(a)
image , concluiu Curso Superior de Enfermagem em 1996 e a Licenciatura em Enfermagem em 2001. Fez em 2003 o Curso Inicial de Formadores e renovou em 2008. Editora do Conhecer Saúde.
Health On the Net Foundation


Publicidade