Home | Adultos | Cancro do Colo do Útero

Cancro do Colo do Útero

Tamanho da fonte: Decrease font Enlarge font
image O útero está localizado entre a bexiga e o recto.

publicidade

Os ovários, trompas de falópio e útero constituem o sistema reprodutor feminino.

O útero está localizado entre a bexiga e o recto, é oco, com a forma de uma pêra, apropriada para o crescimento de bebes. Pode ser dividido em três partes: a parte inferior mais estreita que o liga á vagina é o colo ou cérvix, no meio vai alargando é o corpo e a parte superior arredondada é o fundo. As trompas estão ligadas ao fundo e a estas os ovários.

Tem uma camada de tecido interna chamada de endométrio e uma camada muscular externa o miométrio. A camada interna fica mais espessa todos os meses para preparar o útero para uma possível gravidez. Caso não aconteça, a camada mais espessa ao saír pela vagina provoca sangramento que é a menstruação.

O cancro ou tumor do útero é maligno e é mais frequente no colo do útero e endométrio. Atinge mulheres com mais de 50 anos, principalmente se tiverem hiperplasia endometrial.

 

Origem / Factores de risco

Não é conhecida a causa do cancro do útero, mas os factores de risco aumentam a probabilidade de uma mulher desenvolver este cancro.

O cancro do endométrio é dos mais frequentes do sistema reprodutor feminino. Há maior probabilidade de surgir em mulheres com excesso de estrogénio, baixos níveis de progesterona e obesas.

Alguns estrogéneos são produzidos pelo tecido adiposo (gordo) pelo que as obesas têm maior quantidade de estrogéneos no organismo do que as magras.

Mulheres com hipertensão arterial e diabéticas também têm maior risco de desenvolver cancro.

O cancro do colo é mais frequente em mulheres virgens ou com poucos filhos e menos frequente nas que tomam pílula.

A medicação que substitui a menstruação tem estrogéneos melhorando os sintomas da menopausa e ajudam a prevenir a osteoporose (ossos fracos) e problemas cardíacos.

Os exames regulares no ginecologista permitem detectar o cancro numa fase inicial aumentando a percentagem da cura.

As pessoas brancas têm maior taxa de cancro do útero do que os de raça negra.

Se houver antecedentes de familiares com a doença aumenta a probabilidade de sofrer cancro.

 

Sinais e sintomas

Em mulheres jovens pode surgir menorreia (menstruação muito abundante) ou hemorragia (sangramento) no espaço de tempo entre duas menstruações.

Em mulheres após a menopausa pode ser sinal o corrimento vaginal de sangue.

Pode haver outros problemas de saúde a provocar as hemorragias, sem ser o cancro.

 

Diagnóstico

O exame que permite um diagnóstico é feito pelo ginecologista. Este faz um exame que consiste em introduzir um cotonete grande pela vagina até à parede interna do útero para retirar uma amostra (exame papanicolau). Pode também retirar uma quantidade muito pequena do revestimento do útero (biópsia) e enviar para os laboratórios de anatomia patológica.

Pode também ser feita ecografia para determinar a presença e tamanho do cancro. As análises ao sangue também permitem obter algumas informações sobre a doença e despistar outras.

 

Tratamento

Se o tumor estiver numa fase inicial o tratamento passa pela cirurgia retirando o útero (histerectomia parcial) ou histerectomia total se houver necessidade de retirar útero, trompas de falópio e ovários. De acordo com o cirurgião e o tamanho do cancro, o doente pode ser aconselhado a retirar também, como medida preventiva, os gânglios linfáticos da pelve e abdómen.

Se houver suspeitas ou verificar que o cancro está espalhado (metástases ou raízes) o cirurgião encaminha o doente para o médico de oncologia, que poderá indicar a necessidade de fazer tratamentos de radioterapia e depois quimioterapia.

Durante os tratamentos são realizados exames para verificar a sua eficácia ou se é necessário mudar de tratamento.

 

Prognóstico

O prognóstico depende do estado em que se encontra o tumor quando é diagnosticado. Cerca de 80% dos casos encontrados numa fase inicial têm cura, pelo que as consultas anuais, principalmente após os 40 anos, são fundamentais para detectar cedo a doença.

Existem tumores benignos (não evoluem para cancro) como os fibromiomas, endometriose e hiperplasia endometrial.

Os fibromiomas crescem no músculo do útero e aparecem por volta dos 40 anos. Após a menopausa podem diminuir ou até desaparecer. Não costumam provocar sintomas e só é necessário retirá-los numa cirurgia se causarem hemorragias abundantes ou dor ao empurrarem outros órgãos se crescerem. 

A endometriose surge mais cedo, a partir dos 30 anos e com maior frequência nas mulheres que nunca engravidaram. Nesta doença o tecido do endométrio cresce de forma anormal, para fora do útero. Pode provocar menstruações mais dolorosas, maior hemorragia e incapacidade para engravidar. O tratamento é feito com hormonas ou cirurgia.

Na hiperplasia endometrial há aumento da quantidade de células que revestem o útero e pode evoluir para cancro. Surge após os 40 anos e nesta doença as menstruações são muito longas, aparecem hemorragias entre os períodos menstruais, mesmo após a menopausa. O médico pode aconselhar histerectomia parcial, tratamento com hormonas e acompanhamento regular, como forma de evitar que evolua para cancro.

 

Referencias: Enciclopédia Familiar da Saúde - Editora: Ediclube,

http://www.nlm.nih.gov/medlineplus/cervicalcancer.html

Última atualização desta página:

Poderá querer ler também sobre
      

publicidade

   

Faça o seu comentário

Alecsandra De Paula on 20/05/2009 18:23:53
avatar
adoro os orgãos femininos acho super iteresante
Thumbs Up Thumbs Down
-1
morena on 21/11/2009 21:00:24
avatar
eu fiz hesterectomia já faz 7 anos mais fiquei mais doente ,eu queria saber se não tem transplante desses orgao
Thumbs Up Thumbs Down
0
morena on 21/11/2009 21:04:43
avatar
se ouver auguma resposta por favor me responde eu estou precisando muito os profissional da saude descobril o transplante de outros orgao e porque não descobril de ovario trompa utero me responde por fovor
Thumbs Up Thumbs Down
0
Maria Oliveira on 02/12/2009 23:00:55
avatar
Na pesquisa bibliográfica não verificamos haver transplante desses órgãos. Há medicação que substitui os efeitos desses órgãos e que a pode ajudar a ultrapassar essa fase. Fale com o seu médico.
Thumbs Up Thumbs Down
0
MIA on 17/12/2009 15:39:29
avatar
Mas o que voce sente exactamente quando diz q se sente mais doente? É a nivel psicologico por se sentir histerectomizada ou fisico? Se for fisico tipo sintomas menopausa aconselhe-se com seu medico. Hj em dia existem terapias de substituiçao hormonal que dão bons resultados.
Thumbs Up Thumbs Down
1
Fátima Silva on 19/10/2010 18:55:37
avatar
Parabens pelo artigo eu fui a pouco tempo contactada pelo meu medico e fiquei a saber que posso ter ou vir a ter cancro no colo do utero segundo o medico pode ate nao ser nadamas mesmo assim estou a sofrer e tenho muito medo de estar doente li este artigo e ja consegui exclarecer algumas das minhas duvidas so ainda nao consegui encontrar resposta para uma que e o ter cancro no colo do utero nao quer dizer que tenha que deixar de trabalhar ou uma pessoa com cancro tem que ficar de repouso mais uma vez parabens
Thumbs Up Thumbs Down
0
Maria Oliveira on 22/10/2010 19:32:25
avatar
Fátima, uma pessoa com cancro pode trabalhar se sentir forças para o trabalho que faz. Os tratamentos estão cada vez melhorados, e pode não dar muitos efeitos secundários. Em geral, as pessoas ficam de atestado durante o tratamento, porque se sentem com menos força. Após a cura, fazem a sua vida normal.
Thumbs Up Thumbs Down
0
maria on 09/01/2012 18:26:16
avatar
a cerca de 2 anos atás fiz o rastreio e deu infeção grau 2 fiz varios cerca de 4 tratamentos e num espaço de 18meses fiz três rastreios o ultimo foi em fevereiro de 2011 e o resultado deu negativo.a médica disse que agora só devo fazer novamente em 2013. ultimamente tenho tive comichão nas virilhas e na vagina mas não no interior só no exterior será que me devo preocupar?
Thumbs Up Thumbs Down
0
Maria Oliveira on 09/01/2012 20:30:46
avatar
Maria, se a comichão não passar procure o seu médico. Pelo que descreve não deve ser a mesma situação.
Thumbs Up Thumbs Down
0
9 1 - 9
  • email Enviar a um amigo
  • print Versão p/ impressão
  • Plain text Texto
  • Plain text Acompanhe o Conhecer Saude no Twitter




Info do(a) Autor(a)
image , concluiu Curso Superior de Enfermagem em 1996 e a Licenciatura em Enfermagem em 2001. Fez em 2003 o Curso Inicial de Formadores e renovou em 2008. Editora do Conhecer Saúde.
Health On the Net Foundation


Publicidade